9 de setembro de 2020

/

by: casamais

VR em Treinamentos Cirúrgicos

Cirurgias em VR, treinando situações futuras em tempos difíceis.

Em tempos de distanciamento físico, a Universidade de Ucoon Health vem realizando treinamentos de cirurgias ortopédicas com seus residentes utilizando soluções em realidade virtual.
Segundo um estudo conduzido pela PrecisionOS e a Canadian Shoulder And Elbow Society (CSES), os residentes treinados com o uso da tecnologia VR aprendem 570% mais rápido do que aqueles que utilizam métodos tradicionais de ensino. (Fonte: The Journal of Bone and Joint Surgery, Março de 2020 – Volume 102 – Issue 6 – pe26).

Como a UConn Health e está treinando seus residentes em cirurgias ortopédicas simuladas através do Oculus Quest.

Segundo o Dr. Augustus Mazzocca, o Diretor do Instituto Musculoesquelético da UConn Health, nem toda cirurgia é natural. “Como em qualquer profissão, algumas pessoas não são tão talentosas naturalmente, então compensamos isso fazendo volume. Se o residente está se esforçando, fazemos com que ele faça casos com tanta variabilidade, tantas vezes, até que no esgotamento, finalmente obtenham essa habilidade”
Múltiplos fatores têm levado o desenvolvimento de métodos de treinamentos cirúrgicos ortopédicos de residentes para fora da sala de operação. Na UConn Health, Mazzocca e sua equipe mantém a prática das habilidades dos residentes em cadáveres no laboratório de Habilidades Biológicas. Mas a prática procedural é cara, e lenta, sendo que os residentes só podem realizar nos cadáveres uma única vez.

Utilizando as Realidade Virtual para produzir uma prática proposital.

Dr. Goel, desenvolvedor da plataforma de treinamento em Realidade Virtal utilizada pela equipe, disse que eu time pretende fazer com que o ensino e aprendizado em VR seja bem valioso e realista sempre que possível, e que isso aconteça de forma segura. “Nós intensificamos a experiência de operações através da realidade virtual”, o Oculus Quest foi um divisor de águas para nós. Ele é móvel e oferece alta qualidade háptica, seis graus de liberdade, e alta fidelidade gráfica. Isso permite que os médicos cheguem a bons resultados, começando as cirurgias mais rápido.
“Com o uso do Oculus e do PresisionsOS, conseguimos com que os residentes treinem um caso difícil, podendo repetir as suas partes 5, 10, 15, 20 vezes. Nós podemos ver o que eles fizeram, e como fizeram, ver as métricas, e mostrar a eles para que possam repetir isso até chegar em um resultado fantástico.”
Segundo o Dr. Mazzocca, “É insano o quão rápido o corpo se ajusta – eu não podia acreditar naquilo. Facilmente em menos de um minuto, voce se sente parte desse sistema. E a qualidade do trabalho alcançado é incrivelmente similar ao da vida real.”
Quando os residentes estão colocando um pino em um osso no VR, eles podem aprimorar sua consciência espacial 3D enquanto aprendem a reduzir a fratura, posicionar o Raio-X para ter a visão apropriada, e colocar o pino na posição perfeita. “Essas são as habilidades principais que eles devem aprender, perfeitamente, e aprimorar para que eles possam proceder com casos de uma maneira muito mais eficiente e reproduzível.” disse Mazzorca.

Mantendo o treinamento em progresso durante a quarentena do COVID-19.

Em 2020, o UConn Health suspendeu as cirurgias eletivas por conta da pandemia. Isso afetou bastante a possibilidade de treinamentos físicos dos seus residentes, fazendo com que Mazzocca seja realmente grato pelo fato dos residentes poderem aprender e manter suas habilidades em dia com a prática graças a realidade virtual.

Olhando para o futuro.

O Dr. Mazzocca acredita que a realidade virtual irá ter um longo alcance e impactar a vida de pacientes no campo da ortopedia. “Isso faz com que o inacreditável senso de cirurgiões logo estarão hábeis para carregarem seus Escaneadores CT dentro do VR e verem onde a deformidade é uma articulação danificada ou doente, ver como reduzir uma fratura, e solucionar outros problemas que possam aparecer antes mesmo que o caso aconteça. “Também acreditamos que o VR irá ajudar a implementar treinamentos cirúrgicos em áreas do mundo onde não é permitido o uso de cadáveres para educação.
“Globalmente”, diz ele, “Nós ainda não fazemos ideia do quanto essa tecnologia é capaz”
E você, o que pensa sobre o uso de tecnologias como a Realidade Virtual e Realidade Aumentada na medicina através de Plataformas Virtuais para o aprimoramento técnico dos residentes?
Conheça nossos projetos, Clique aqui e fale conosco, para tirarmos suas dúvidas e conversar sobre o desenvolvimento tecnológico na sua área de atuação.