Atleta de Skeleton usa VR para treinar para as Olimpíadas de Inverno

Atleta de Skeleton usa VR para treinar para as Olimpíadas de Inverno

As tecnologias imersivas, como VR, estão abrindo novas possibilidades para atletas que não têm acesso a centros de treinamentos apropriados, permitindo que eles tenham um preparo adequado para suas competições. Elliot Brown, triatleta, ciclista de pista e estudante de 28 anos, começou sua jornada rumo às Olimpíadas de Inverno três anos atrás, quando descobriu o Skeleton. Introduzido nas Olimpíadas em 1928, o esporte de alto risco envolve descer por uma pista congelada de cabeça, usando um pequeno trenó de metal.

Apesar de viver em Sunshine Coast, Queensland, Brown é um dos dez atletas australianos competindo por uma vaga nos jogos de inverno de 2022, que acontecerão em Pequim, na China. O único problema é a falta de um local apropriado para o treinamento de Skeleton.

“O desafio de morar na Costa é não ter pistas na Austrália e não ter locais adequados para o treinamento,” disse o atleta durante uma entrevista para a ABC News Australia. “Outros países que não têm pistas próprias para Skeleton usam push tracks para auxiliar, pelo menos, no começo. Seria ótimo se tivéssemos essas pistas, mas infelizmente não temos. A única outra alternativa é muito cara, já que teríamos que viajar para algum lugar da Europa para ter acesso a essas pistas.”

Desesperado por uma solução de treino eficaz que não envolvesse um voo de 20 horas para a Letônia, Brown começou a trabalhar com um desenvolvedor de mídia interativa da University of the Sunshine Coast no desenvolvimento de um aplicativo VR que pudesse aprimorar seu treinamento sem que fosse preciso o uso de uma pista especial ou de um clima mais frio. O princípio do treinamento é o mesmo que a Polícia de Nova Iorque usa para treinar seus oficiais para operações de alto risco.

“Skeleton é um dos esportes que estudamos com Elliot, para conseguirmos uma gravação de vídeo do topo de seu capacete, que permite que ele controle o trenó ao descer pela pista,” disse Jason Riddell, desenvolvedor da USC. “É assim que esperamos terminar este ano, com a ajuda de alguns estudantes da USC, criando um app completo para os treinamentos do Elliot.”

Com base na foto abaixo, parece que Brown está usando um VR BOX-2 para rodar o aplicativo móvel de Riddell. Infelizmente, não há nenhuma gravação da experiência disponível ainda, mas Riddell planeja ter o app completo a tempo das Olimpíadas de 2022.

“Antes, eu fazia treinos visuais no meu quarto com meu trenó, só repassando a pista na minha cabeça, mas depois de visitar o laboratório VR eu vi que existe a possibilidade de integrar um app VR aos meus treinos,” disse ainda, Elliot Brown. Vamos aguardar o lançamento do app e torcer pelo seu sucesso, assim, quem sabe, poderemos usá-lo para treinar atletas mais brasileiros para as Olimpíadas de Inverno, com mais facilidade.

Quer desenvolver um aplicativo de Realidade Virtual? Nós podemos te ajudar! Entre em contato conosco pelo site agenciacasamais.com.br ou pelo telefone: (11) 3467 – 1985.